Os segredos da longevidade

As bactérias não envelhecem. Podem até morrer, caso ocorra algum acidente ou sejam privadas de alimentos, mas não envelhecem nunca. Tanto é que, no ano 2000, cientistas decidiram ressuscitar uma bactéria que havia ficado presa em um depósito de sal há 250 milhões de anos. Depois de reanimá-la e oferecer nutrientes, a bactéria simplesmente voltou a se reproduzir, como se o tempo não houvesse passado.

Outros animais também desfrutam do mesmo dom: é o caso da água-viva turritopsis dohrnii, do peixinho rockfish e de algumas espécies de tartarugas que vivem na América no Norte. Todos vivem sem prazo de validade, ao contrário de nós, humanos – e mortais. Pode até ser que você não resista 250 milhões de anos, como a bactéria ressuscitada, mas a ciência já é capaz de apontar o caminho para quem está em busca da longevidade.

Uma constatação importante sobre o assunto foi feita pelo pesquisador e escritor Dan Buettner, em parceria com a equipe da National Geographic, em 2004, quando se mapearam as cinco regiões do mundo onde a possibilidade de uma pessoa alcançar os 100 anos chega a ser 10 vezes maior que a de um morador comum dos Estados Unidos. Esses locais foram chamados por eles de “Zonas Azuis”.

Sem título

Mas qual o segredo desses lugares? Dan conta em seu livro The Blue Zones quais características são capazes de explicar a longevidade nestas regiões. São fatores compartilhados por estas zonas azuis que prometem ser o tempero que faltava para obtermos uma vida mais longa. Mas, primeiro, vamos conhecer esses lugares:

Japan-Flag-icon (1)Okinawa, Japão – É a província mais ao sul do Japão, composta por 169 ilhas, e também a região com o maior percentual de centenários no mundo inteiro.

Italy-Flag-iconSardenha, Itália – Uma ilha localizada em pleno mar Mediterrâneo, com um total de 1,65 milhões de habitantes, dos quais 371 já haviam completado 100 anos em 2012. A maior taxa de longevidade foi encontrada na região conhecida como Província de Nuoro.

United-States-Flag-iconLoma Linda, Estados Unidos – Uma pequena cidade da Califórnia que conquistou uma expectativa de vida dez anos mais alta que a média americana. Cerca de metade dos habitantes locais fazem parte da Igreja Adventista do Sétimo Dia, que segue regras rigorosas para descanso, alimentação e exercícios.

Costa-Rica-Flag-iconPenínsula de Nicoya, Costa Rica – Mais de 400 centenários vivem nesta região repleta de praias e montanhas. É o lugar em que existe o maior número de pessoas acima dos 100 anos no mundo.

Greece-Flag-iconIcária, Grécia – Estima-se que um terço da população de Icária irá chegar aos 90 anos. A estimativa é fácil de entender quando nos deparamos com taxas de incidência de câncer 20% menores e de doenças cardíacas 50% menores do que em outras regiões. A possibilidade de demência é praticamente nula na população.

Todas estas zonas apresentam algumas características em comum e elas podem ajudar a traçar o mapa de uma vida mais longeva, segundo as pesquisas de Dan Buettner:

Corpo em movimento

Nas zonas azuis, as pessoas não estão acostumadas a fazer exercícios – ou, pelo menos, não da maneira como nós estamos, reservando uma hora específica para realização de alguma atividade física. Ao contrário, eles se mantêm em movimento, sem precisar fazer muito esforço para isso.

Tanto na Sardenha quanto em Icária, por exemplo, grande parte da população é acostumada a pastorear animais, o que faz com que se mantenham em movimento. Manter um jardim em casa, caminhar até o trabalho ou simplesmente o fato de viver em um local com escadas também contribui para se manter em movimento sem precisar pensar muito sobre o assunto.

Alimentação

As dietas aplicadas por estas cinco comunidades possuem muitas coisas em comum. Enquanto o consumo de carnes é raro entre elas – em Loma Linda grande parte da população é vegetariana –, as frutas, vegetais e grãos são item indispensável na mesa. Por sinal, um estudo realizado pela Universidade de Loma Linda, em 2001, demonstrou que dietas pobres ou isentas de gordura animal podem presentear você com dois anos extras de vida, enquanto exercícios diários moderados são responsáveis por um bônus de 6 anos – em compensação, fumar pode subtrair de 10 a 11 anos dessa conta.

Obviamente, cada lugar tem sua particularidade no quesito alimentação: em Okinawa, existe uma prática conhecida como hara hachi bu, que significa comer até ficar 80% satisfeito. O que parece apenas uma tradição sem muito sentido tem mais embasamento científico do que você pode imaginar: diversos cientistas já assumem que uma dieta restrita seja o caminho para a longevidade. A tese é reforçada por experimentos que indicam que, ao comer 50% menos, os ratos são capazes de viver o dobro, e com saúde. Resultados semelhantes foram encontrados em estudos com peixes, aranhas, cachorros, moscas… Há indícios de que, sozinhas, as escolhas alimentares podem somar 13 primaveras à sua vida.

Bebem com moderação

Fora a cidade de Loma Linda, onde a população evita o consumo de álcool graças à religião, todas as outras zonas azuis aceitam sem problemas uma dose de bebida, mas seus habitantes também sabem consumi-la com moderação.

Espiritualidade

Independente da religião ou doutrinas, a fé se mostrou um ponto forte para essas comunidades longevas. É assim que a população de Loma Linda lida com sua religião, com forte apego à Igreja Adventista do Sétimo Dia ou que os habitantes da Península de Nicoya manifestam sua profunda fé em deus.

Frequentar serviços relacionados à fé pelo menos quatro vezes por mês pode adicionar até 14 anos na sua vida, independente da doutrina.

Senso de comunidade

Todas as regiões têm um profundo senso de comunidade: na Sardenha, a família está sempre em primeiro lugar; em Loma Linda, a Igreja é o lugar de reuniões e amizades; enquanto isso, em Okinawa, os habitantes possuem um grupo de amigos que os acompanha desde a infância até o fim de seus dias e com quem podem compartilhar as felicidades e tristezas da vida.

Propósito

Em Okinawa, Dan Buettner questionou aos habitantes qual o motivo que os fazia acordar pela manhã: todos sabiam exatamente o que responder. Na língua local, existe até mesmo uma palavra para definir esse proposto: ikigai. Segundo o pesquisador, ter um propósito pode render um bônus de 7 anos no jogo da vida.

blue9

Mas, acima de tudo, é importante saber: há grandes chances de você não chegar aos 100 anos. Mesmo que decida começar a seguir amanhã mesmo todas as indicações acima, sua probabilidade de chegar lá é bem baixa. Isso porque a genética também tem seu papel neste jogo – e estudos recentes indicam que apenas 15% das pessoas possuem genes que as predispõe à alta longevidade. E mais da metade dos centenários têm parentes que chegaram aos 100 anos. Mesmo assim, estima-se que o estilo de vida seja responsável por 70% deste cálculo.

Mas… digamos que você possa chegar até os 90 anos com saúde. Infelizmente, o próprio Dan Buettner mostra que apenas força de vontade não é suficiente para aumentar nossa expectativa de vida. Para mudar, é preciso transformar uma comunidade inteira e não apenas os seus hábitos, como ele explicou em uma palestra no TedMed:


Quem sabe um dia iremos chegar a um futuro próximo ao previsto no livro As Intermitências da Morte, de José Saramago, que inicia com a singela frase “No dia seguinte ninguém morreu”. No caso do livro, a (ir)responsável por isso era uma Morte com M maiúsculo, que havia simplesmente parado de realizar seu trabalho, resultando em um cenário de calamidade, onde os velhos quase imploravam pelo seu “descanso eterno”. Mas a velhice da realidade parece ser bem mais promissora que a encontrada na literatura: cerca de 2 terços dos idosos são completamente independentes para as atividades da vida diária.

Não é por acaso que a faixa da população que mais cresce no mundo é a dos idosos com mais de 100 anos – em 2015, o grupo deverá ser 20 vezes maior do que no ano 2000. Quando voltamos um pouco no tempo, fica fácil perceber os avanços já alcançados nesse sentido: entre os romanos, a expectativa de vida era de 20 anos e 90% da população morria antes de completar seu 46º aniversário. No Brasil, a expectativa média de vida era de 33 anos em 1900, hoje, esse número subiu para 68 anos, mais do que o dobro. Por enquanto, resta esperar e torcer para que, ao menos nesse quesito, estejamos cada vez mais próximos das bactérias.

blue11

~ Mari Dutra para o Hypeness.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s