Lua de mel inusitada

Huma-Mobin-na-Grécia-1-479x479

Nada pode ser mais romântico que uma lua de mel e pouquíssimos lugares são mais românticos do que a Grécia. Então, a combinação desses dois pontos só poderia ser maravilhosa, né? Só que não.

Huma Mobin e Arsalaan Sever Bhatt, que são de Lahore, no Paquistão, planejaram a lua de mel, porém o marido não conseguiu o visto para entrar na Grécia e Huma teve que ir sozinha para a viagem romântica.

Apesar de pensar em desistir no começo, a noiva acabou indo e fez da situação triste uma diversão, tirando fotos hilárias como se o marido estivesse lá:

Huma-Mobin-na-Grécia-9-484x479

Huma-Mobin-na-Grécia-7-479x479

Huma-Mobin-na-Grécia-2-479x479

~ Nathalia Salvado para o Vírgula.

Táxi Artístico

Na disputa de clientes com os motoristas do Uber, os taxistas do mundo todo poderiam se inspirar na empresa indiana Taxi Fabric que cria revestimentos em tecido estampados e coloridos para decorar praticamente todo o interior do veículo.

A iniciativa tem dado retorno positivo tanto para os taxistas quanto para os artistas que criam os desenhos. Motoristas relatam que, após a aplicação das artes pela Taxi Fabric, os passageiros têm dado gorjetas maiores e permanecido mais tempo nos carros. Já os designers – que são identificados por um etiqueta em destaque – têm a oportunidade de expor seus trabalhos para um público maior.

Veja alguns dos carros decorados pelo projeto:

Táxi-artístico-1

Táxi-artístico-4

Táxi-artístico-6

Táxi-artístico-5

Táxi-artístico-7

Táxi-artístico-8

Táxi-artístico-11

Táxi-artístico-10

~ Diego Bravo para o Somente Coisas Legais.

Contos mal contados

De vez em quando a gente se depara com páginas no Facebook, Tumblr ou Pinterest que se tornam um alento pra nossa alma. Pessoas que expõe sua alma de forma digital e conseguem alcançar o mundo inteiro com o alcance de um clique do mouse. Confesso que não são fáceis de encontrar. E é isso que as torna um verdadeiro tesouro.

Contos Mal Contados é uma página de poesias, contos e curtas histórias criada por João Pedro Doederlein, que se auto-denomina “um poeta que nasceu da necessidade, não da simples opção”. Ele e mais outras talentosas escritoras acrescentam a esse lindo portfólio imagens e escritos que tocam fundo dentro dos nossos coraçãozinhos, que mais se parecem com cebolas cheias de camadas.

Particularmente, o que mais me chamou atenção no seu trabalho foram uma série de definições dadas à palavras eventualmente banais, mas que se tornam recheadas de significados, como um dicionário mais humano e menos racional das coisas.

12977257_1099971540065425_3653953044076704494_o

12968133_1096751090387470_5604210799979457611_o

13131117_1111285098934069_3493042421412829648_o

13173573_1112520422143870_4713094270997239968_o

13227834_1120173811378531_5459773784185071496_o

13332815_1131573043571941_5693818428510752578_n

13350520_1133760216686557_8324234999433166542_o

13403809_1133769596685619_1477282000935739089_o

Geralmente os textos postados aqui seguem indicação de outros sites. Esse aqui é meu mesmo! 🙂

P.S.: Me lembra um pouco (talvez muito!) o Minidicionário das Pequenas Grandes Coisas.

Selfies com animais

allan-dixon

Faz mais de dois anos e meio que o fotógrafo irlandês Allan Dixon aperfeiçoa a arte de tirar selfies com animais. Viajando pelo mundo em colaboração com projetos de conteúdo de marketing, divirtia-se com cliques tipo esse acima. Mas, ó, foi só depois de muito tempo que alguém descobriu o talento e as imagens viralizaram. Agora, Allan tem 87 mil seguidores no Instagram e um portfólio de selfies de dar inveja: de clique com um quokka, marsupial da Austrália, a foto com burro na Irlanda, solte muitos owns com as fotografias abaixo e aprenda com o mestre:

allan-dixon-2

“Você tem que ficar parado e deitado pra conquistar a confiança dos animais no ambiente deles”, explicou ao site RT. “Tirar a foto sem flash e sem barulho também é uma regra clássica pra não assustar os bichos. Outra dica é entrar no ambiente já com a câmera na mão pra o animal pensar que faz parte do seu corpo”. Além disso, “depois que você fica no ambiente do bicho por um tempo, geralmente o animal vai até você. Existe uma linha tênue entre curiosidade e instinto de sobrevivência. Por isso, o objetivo principal é deixá-los seguros na sua presença. Se aproxime, mas devagar”, finalizou. E aí, quem pirou com as fotos? Pode admitir!

allan-dixon-3

allan-dixon-4

~ Indicação do Huffington Post, texto do Glamour.