Contos mal contados

De vez em quando a gente se depara com páginas no Facebook, Tumblr ou Pinterest que se tornam um alento pra nossa alma. Pessoas que expõe sua alma de forma digital e conseguem alcançar o mundo inteiro com o alcance de um clique do mouse. Confesso que não são fáceis de encontrar. E é isso que as torna um verdadeiro tesouro.

Contos Mal Contados é uma página de poesias, contos e curtas histórias criada por João Pedro Doederlein, que se auto-denomina “um poeta que nasceu da necessidade, não da simples opção”. Ele e mais outras talentosas escritoras acrescentam a esse lindo portfólio imagens e escritos que tocam fundo dentro dos nossos coraçãozinhos, que mais se parecem com cebolas cheias de camadas.

Particularmente, o que mais me chamou atenção no seu trabalho foram uma série de definições dadas à palavras eventualmente banais, mas que se tornam recheadas de significados, como um dicionário mais humano e menos racional das coisas.

12977257_1099971540065425_3653953044076704494_o

12968133_1096751090387470_5604210799979457611_o

13131117_1111285098934069_3493042421412829648_o

13173573_1112520422143870_4713094270997239968_o

13227834_1120173811378531_5459773784185071496_o

13332815_1131573043571941_5693818428510752578_n

13350520_1133760216686557_8324234999433166542_o

13403809_1133769596685619_1477282000935739089_o

Geralmente os textos postados aqui seguem indicação de outros sites. Esse aqui é meu mesmo! 🙂

P.S.: Me lembra um pouco (talvez muito!) o Minidicionário das Pequenas Grandes Coisas.

Poemas inspiradores #2

unnamed (2)

AINDA ASSIM ME LEVANTO

de Maya Angelou

Você pode me inscrever na história
Com as mentiras amargas que contar
Você pode me arrastar no pó,
Ainda assim, como pó, vou me levantar

Minha elegância o perturba?
Por que você afunda no pesar?
Porque eu caminho como se eu tivesse
Petróleo jorrando na sala de estar

Assim como a lua ou o sol
Com a certeza das ondas no mar
Como se ergue a esperança
Ainda assim, vou me levantar

Você queria me ver abatida?
Cabeça baixa, olhar caído,
Ombros curvados como lágrimas,
Com a alma a gritar enfraquecida?

Minha altivez o ofende?
Não leve isso tão a mal
Só porque eu rio como se tivesse
Minas de ouro no quintal

Você pode me fuzilar com palavras
E me retalhar com seu olhar
Pode me matar com seu ódio
Ainda assim, como ar, vou me levantar

Minha sensualidade o agita
E você, surpreso, se admira
Ao me ver dançar como se tivesse
Diamantes na altura da virilha?

Das choças dessa história escandalosa
Eu me levanto
De um passado que se ancora doloroso
Eu me levanto
Sou um oceano negro, vasto e irrequieto
Indo e vindo contra as marés eu me elevo
Esquecendo noites de terror e medo
Eu me levanto
Numa luz incomumente clara de manhã cedo
Eu me levanto
Trazendo os dons dos meus antepassados
Eu sou o sonho e as esperanças dos escravos
Eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto

~ Indicação por e-mail através do curso “Beautiful Inspirational Poems” do Highbrow, tradução de Francesca Angiolillo publicado na Folha de S. Paulo.

Qual seu versículo favorito?

Stephen Colbert recebeu a popular apresentadora norte-americana Oprah Winfrey em virtude do lançamento de sua mais nova série Belief (“Crença”, em tradução livre). A série não irá focar em uma crença em particular, mas sim no impulso que todo ser humano sente de crer em algo. Você confere o trailer de Belief clicando aqui.

Durante a conversa, Oprah falou um pouco sobre a série e dividiu – de forma bem humorada – um pouco de sua própria crença com Colbert, que também é cristão e católico devoto.


Abaixo, destacamos e traduzimos alguns trechos da entrevista:

Colbert: Existe uma diferença, para você, entre fé e crença?
Oprah: Sim, há. Por que existe bastante gente que não se acha uma pessoa de fé, mas possuem uma crença em algo. Você não pode estar no mundo sem acreditar em alguma coisa, mesmo que você não chame isso de uma divindade. Então, existem pessoas que acreditam no trabalho duro, lutar para conseguir o melhor, mas não possuem necessariamente uma crença religiosa. E fé é diferente, fé é saber que não importa o que aconteça, você vai ficar bem.

*****

Colbert: Você tem uma passagem favorita da Bíblia?
Oprah: Sim, eu tenho! Você?
Colbert: Eu tenho.
Oprah: Ok, vamos ouvir a sua…
Colbert: A minha é de Mateus (Mt. 6:27), eu gosto por que Jesus diz: ‘não andeis ansiosos, pois quem de vocês, por mais que se preocupe, pode mudar um fio de seus cabelos ou adicionar algo ao tempo de sua vida?’. O que eu gosto disso é que é um mandamento para não se preocupar, e eu aceito isso numa boa. Eu não consigo viver isso, mas eu gosto. Não é tipo ‘tente não se preocupar’,  ‘então eu vos digo, não se preocupem!’; então se você se preocupa… você está sendo desobediente.
Oprah: Se você se preocupa, você está pecando.
Colbert: Exato! Exato, e quanto a você?
Oprah: O meu é Salmo 37:4, ‘Deleita-te’… eu amo a expressão deleita-te, você não? Eu sou tão feliz que Davi sabia…
Colbert: Ah, Davi era realmente comprometido em deleitar-se! (risos)
Oprah: ‘Deleita-te no Senhor, e ele atenderá os desejos do teu coração’, o que isso me diz é que o Senhor possui um alcance amplo. O que é o Senhor? Compaixão, amor, perdão, misericórdia, então você se deleita nessas virtudes em que o caráter dO Senhor se revela. Deleite-se na bondade, deleite-se no amor, misericórdia, compaixão e você irá receber os desejos do seu coração. Isso me fala que se você focar em ser uma força do bem, então o bem virá. O que também é a terceira lei de Newton, e também é o ‘karma’, e também é a ‘regra de ouro’.
Colbert: E também é o segredo, aquele livro ‘O Segredo’. (risos)

~ Daniel Serrano para o catavento*.

[N. do E.: E quanto a você? Deixe seus versículos favoritos nos comentários.]

"Vocês são a luz do mundo." ~ Mateus 5:14
“Vocês são a luz do mundo.” ~ Mateus 5:14

Poemas inspiradores #1

unnamed (1)

SE

de Rudyard Kipling

Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando,
E para esses no entanto achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,
De sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculos, tudo
A dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exaustos, contudo
Resta a vontade em ti que ainda ordena: “Persiste!”;

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes
E, entre reis, não perder a naturalidade,
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade,
E se és capaz de dar, segundo por segundo,
Ao minuto fatal todo o valor e brilho,
Tua é a terra com tudo o que existe no mundo
E o que mais – tu serás um homem, ó meu filho!

~ Indicação por e-mail através do curso “Beautiful Inspirational Poems” do Highbrow, tradução de Guilherme de Almeida publicado na Folha de S. Paulo.