Newsworthy #1

newsworthy | adjetivo
  1. interessante.
  2. que merece ser publicado.
    “você precisa cobrir uma extensão muito grande de informações para encontrar alguma coisa interessante”

Uma amiga minha costuma dizer que sou um garimpeiro, pois encontrar alguma coisa bacana nessa montanha de informações que é a internet é um trabalho muito complexo. E apesar de ser extenuante, eu gosto muito do que faço. Em alguns momentos acho que estou fazendo isso por você, que está lendo estas palavras tão fora de contexto, mas concluo que tudo o que está publicado neste blog é uma extensão de mim mesmo. Faço isso por mim. Exteriorizo a bagunça que acontece aqui dentro. E como é bom encontrar outras pessoas que compartilham deste mesmo sentimento. Que não se saciam com o pouco. Que estão sempre procurando algo mais amável em suas vidas. E puxa, como é ótimo compartilhar isso com vocês!

Apesar de muitos projetos inconcluídos, ou até mesmo rascunhados e não publicados, aqui está mais um! A intenção deste espaço é compartir ideias, textos, imagens e vídeos especiais, que chamaram minha atenção em algum milésimo de segundo, mas que não tiveram a oportunidade de ganhar um post próprio. Mas que, nem por isso são menos interessantes. Segue um rascunho do que consegui reunir durante a semana (e se quiser saber mais sobre o assunto, é só clicar na imagem para ser redirecionado à fonte):

Cenas divertidas com monumentos e recortes de papel

page 01

O artista de recortes de papel Rich McCor, cria pequenas silhuetas com papel picado, que ganham vida ao serem justapostas com monumentos e grandes marcos europeus. Posicionando os recortes simples em um ângulo perfeito, McCor dá a sensação aos seus espectadores de que edifícios, estátuas e fontes estão interagindo diretamente com seu trabalho, fotografando as divertidas cenas, frutos desta mistura, e postando em sua conta no Instagram.

Duas vezes ao ano, o pôr do sol fica perfeitamente alinhado com este píer

page 02

A foto incrível que você vê aqui em cima mostra o píer Scripps, que fica em La Jolla, Califórnia. A imagem capturou um momento raro: essa composição perfeita do sol se pondo entre os pilares da estrutura só acontece duas vezes ao ano. Segundo o site Bored Panda, os dias exatos do alinhamento variam, mas costumam cair no começo de maio e na primeira quinzena de agosto. Quando o momento chega, a praia fica repleta de fotógrafos ávidos por registrar a cena.

Árvore da vida

page 03

Degree é o artista por detrás da obra intitulada Árvore da Vida, uma litografia com anéis internos de uma árvore formados por pequenos animais da fauna mundial. O objetivo é destacar a responsabilidade que temos em deixar animais selvagens prosperarem em seu habitat natural; a escolha inerente à preservação da natureza que constitui a base das atitudes sociais para com a nossa Mãe Natureza.

Baptiste Debombourg e sua incrível arte com grampos

page 05

O artista francês Baptiste Debombourg surpreendeu recentemente com seu trabalho “Aggravure”, que justapõe imagens clássicas com grampos como uma espécie de gravura contemporânea “maneirista”, e é difícil não se impressionar. A delicadeza e sutileza com que os grampos são apoiados sobre a tela formando impressionantes imagens, é linda. Taí uma coisa que você pode tentar fazer em casa.

Entre a arte de rua e a cultura pop!

page 06

Arte de rua, mashups e cultura pop, assim podemos definir os trabalhos do artista americano Jerkface, com sede em Nova Iorque, que produz algumas obras de arte e murais coloridos, inspirado por personagens de desenhos animados, como Homer Simpson, Bob Esponja, Pernalonga, Bunny, Pantera Cor-De-Rosa, entre outros.

Intrigantes e criativas intervenções urbanas de Fra.Biancoshock

“Não tente fazer isso em casa. Tente fazer na rua”. Este é o lema do artista de rua de Milão Fra.Biancoshock, cujas intervenções urbanas inusitadas e criativas estão por toda a Europa e parte da Ásia. Sua arte é difícil de descrever com precisão em apenas algumas palavras, como o próprio artista afirma. Ele criou uma nova forma de arte, ao qual denominou: ephemeralism. “[Ele] é um movimento que tem o objetivo de produzir obras de arte que têm de existir brevemente no espaço, mas sem limites no tempo”, explica o artista. Sua arte fala por si!

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-20

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-02

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-01

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-04

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-06

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-07

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-08

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-09

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-10

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-11

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-13

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-14

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-15

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-16

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-18

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-19

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-21

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-22

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-23

avant-guarde-ephemeralism-street-art-fra-biancoshock-25

~ Marte é para os Fracos.

A chuva através das lentes de Eduard Gordeev

Eduard Gordeev é um fotógrafo que navega ali no limite entre a pintura e a fotografia. Em seu projeto The Wonderful Atmospheric ele registra a cidade através da chuva (ou a chuva através da cidade, fica a seu critério). O resultado são essas imagens lindas e ligeiramente melancólicas:

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o9_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o8_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o7_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o6_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o5_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o4_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o3_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o2_1280

tumblr_nej9znlw8i1rv33k2o1_1280

~ Indicação da Pêssega d’Oro.

¡Dia de los Muertos!

Com o cristianismo, antigas civilizações na América perderam suas tradições acusadas de paganismo e foram substituídas por tradições sem nenhum laço com suas crenças e costumes. Entretanto, muitas conseguiram sobreviver, e entre essas o ‘Dia de los Muertos’ no México possui grande riqueza, o que o torna diferente de qualquer outra cerimônia e se destaca por seu colorido e significados.

O que é considerado macabro na maioria das culturas do mundo, no México é motivo de festa. O ‘Dia de los Muertos’ tem origem nas civilizações indígenas. Entre todas as crenças e tradições destacam-se as da cultura asteca, que dedicavam grandes cerimônias a seus mortos, durante as quais ajudavam-os a chegar ao seu destino final e era celebrado no dia 3 de outubro, mas foi modificado com a chegada dos espanhóis, passando a coincidir com o Dia de Finados em 2 de novembro. Na celebração, festas, comidas, altares e decorações são preparados conforme o gosto das pessoas próximas falecidas, pois a crença diz que na ocasião eles retornam para visitar os familiares. Nada melhor que receber quem se gosta com uma mesa farta.

Velas iluminam os cemitérios na noite da passagem, e as flores, especialmente os Mal-Me-Queres, enfeitam os altares, assim como as caveirinhas feitas de doce e as comidas favoritas do morto. Uma noite repleta muito mais de respeitosa alegria do que dor ou assombro. ~ Tamara Baranov para o GGN.

O artista Isaac Cordal, conhecido por sua criação e colocação de figuras em miniatura de cimento em locais públicos em todo o mundo, criou uma obra denominada Eclipses. As peças, espalhadas em 2013 pela cidade de Chiapas, no México, muitas vezes aparecem em cenas de luto ou desespero, e, embora o significado por trás de cada escultura minúscula é intencionalmente ambíguo, é impossível olhar para cada peça sem imaginar uma história.

cement_eclipses_isaac_cordalDSC05971

cement_eclipses_isaac_cordalDSC08056-Recovered

cement_eclipses_mexicoDSC04785

cement_eclipses_mexicoDSC05248

cement_eclipses_mexicoDSC05262

cement_eclipses_mexicoDSC05283

cement_eclipses_mexicoDSC07651

cement_eclipses_mexicoDSC07943

cement_eclipses_mexicoDSC08003

~ Vi no Colossal.

Esculturas na ponta do lápis

Normalmente, fazer arte com lápis significa desenhar. Mas desenhar é a última coisa que você vai querer fazer com os lápis do artista bósnio Jasenko Đorđević.

A ponta do lápis é a própria obra de arte de Đorđević, que cuidadosamente cria esculturas no grafite. E a inspiração de Đorđević é o brasileiro Dalton Ghetti, que cria obras similares também na ponta do lápis.

Confira abaixo o trabalho de Đorđević:

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-2

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-3

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-5

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-13

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-16

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-32

pencil-tip-sculptures-jasenko-dordevic-37

~ Flávio Serpa para o B9.