Tudo o que vai te matar, de A a Z

Por que um vídeo que lista, de A a Z, as coisas cotidianas que podem matar seria engraçado? Eu ri ao assisti-lo e me fiz essa pergunta. Qual a intenção de se fazer graça com o fato de que tudo tem um lado ruim, de que tudo adoece?

O curta-metragem mostra em animação uma conversa, em forma de versos, entre a morte e um homem. Ele, coitado, parado sem entender muita coisa. Ela, a morte, parece se esbaldar de alegria à medida que vai seguindo sua lista. Depois de um pouco de reflexão, entendi o que faz o vídeo ser de humor: nele há informações que servem para mim, ou para qualquer um que lhe assista. Quem na vida nunca tomou água de garrafa plástica ou comeu fritura, por exemplo?

No checklist dito pela morte na animação, eu marquei quase todos os itens; e ri disso. A carapuça serve em todos, aliás. O vídeo não é sobre a extinção dos dinossauros ou a explosão solar prevista para daqui a bilhões de anos. Ele fala sobre coisas cotidianas que podem realmente fazer qualquer um dizer adeus à vida; e nada como o humor para tratar de algo série, né?


A gente tende sempre a pensar na ideia absurda de poder controlar a morte, de negar que ela é parte da vida. Daí quando surge um vídeo simples, que toque nesse assunto, a gente ri – na tentativa de aplacar um pânico velado.

No final do vídeo vem o soco que mais dói: você vai morrer de qualquer jeito, amigo. Não importa o quanto tente mudar isso ou mesmo que não dê a mínima importância.

Mas e daí? No frigir dos ovos, a morte nada mais é do que um esqueleto intrometido vestido de preto e com voz de locutor. É isso, né? Deve ser.

Tomara que sim, porque a vida é curta e o tempo está passando rápido…

Eu traduzi a conversa, dá uma olhada:

* * *

maxresdefault

“Na vida você tem escolhas. Umas saudáveis, outras não. De vez em quando é difícil escolher. Se você está se perguntando o que te fará doente, é fácil porque tudo pode acontecer.

O Álcool é fonte do vício, de doenças hepáticas e outras tantas. Que tal água, então? Só se não estiver em garrafas plásticas, porque nelas há o BPA. Não também aos Carboidratos dos refrigerantes e sucos cheios de açúcar. Desidratação mata e por isso você precisar beber, mas todas essas bebidas parecem feder. Comer (Eating) quantidades imperfeitas, pouco ou muito, coisas que não deveria consumir, porque vários pratos vão te levar para a ruína. Frituras são cheias de gordura, tão ruins quanto o Glúten se você cair nessa armadilha. Há ainda as salsichas (Hot Dogs), quem sabe do que elas são feitas? I é para inseticidas, vegetais e legumes estão cheios. J é para a falta de juízo ao usar muito sal de cozinha. O couve (Kale) também leva culpa.

“Mas ele não é saudável?” – Estou feliz que perguntou, pois repolho e couve fazem a tireoide trabalhar mais.

“Esqueça isso de comidas, vou sair” – Mas lá fora é onde ainda mais perigos se escondem.

L é para a doença de Lyme, transmitida por carrapatos. M é para a malária que os mosquitos infligem. N é para a N-dietil-meta-toluamida (presentes dos repelentes). Ela mata os insetos e mata você por dentro.

wkydidfkdv2l5zzc45jc

O é para a falta de oxigênio em atividades físicas. P é poluição em cada inspiração. é para o mercúrio (quicksilver), a pesca está destruída. R é o gás radão, difícil de se detectar. S é para o sol, mas também para o bloqueador solar: ambos causam câncer, isso não é engraçado?

T é para o tabaco, U e V para radiação ultravioleta. W é por assistir (watching) muito televisão. X, como esperado, é para os raios-X. Y é, surpreendentemente, para a erva-mate (Yerba Mate) e Z é para o fanatismo (zealotry), qualquer garantia de que você encontrou a chave para a vida eterna.

Você não pode evitar o perigo, por mais que tente. Suas ações não importam, você ainda vai morrer.”

* * *

E vai mesmo.

~ Herbert Santana para o Papo de Homem.

Anúncios

A tecnologia é o ópio do povo

Essa é a mensagem da campanha da Revista Humanoide que faz uma provocação sobre a prática exagerada do consumo tecnológico, na qual eu, você e a grande maioria da sociedade está inserida.

A Humanoide é uma publicação francesa trimestral que nasceu em 2014 para ser uma mídia que explique as novas tecnologias sem ter que participar da competição desenfreada na web e suas mutações contínuas. Eles resolveram usar o bom e velho papel para superar constrangimentos e fazer jus ao seu slogan: “A tecnologia é o ópio do povo”.

Para promover a edição número 4 da revista, eles encomendaram com a agência Glory Paris estes cinco cartazes em tom inusitado e provocativo – só achei que faltou o do Facebook.

aetherconcept-poster-humanoide-5

aetherconcept-poster-humanoide-1

aetherconcept-poster-humanoide-2

aetherconcept-poster-humanoide-4

aetherconcept-poster-humanoide-3

~ Paula Romano para o Update Or Die!

Uma era de abas e papadas iluminadas

 

Proponho um desafio: leia esse texto, até o fim, sem sair da frente do computador, sem trocar de aba do navegador ou sem desviar a atenção para a televisão que está próxima a você.

Semana passada, eu estava no metrô, ouvindo música no meu celular e lendo um livro, quando, distraído, reparei nas pessoas no vagão. Contando por cima, havia uns 20 indivíduos ali, dos quais mais da metade tinha algo para “matar o tempo” (música, jornal, joguinho, e-book, tablet…). No mesmo dia, reparei na diferença das expressões inglesas kill time e spend time. Kill time se refere a arranjar algo para matar o tempo perdido, como horas em que você fica no metrô sem fazer nada, ou no aeroporto esperando por um avião. Spend time, por outro lado, se refere ao uso do seu tempo propriamente dito: você pode spend your time passeando durante o fim de semana, ou estudando para uma prova difícil da semana que vem.

Entenderam a diferença? Pois bem, eu não.

Não entendo, por ver constantemente gente killing e spending time ao mesmo tempo. Há umas duas semanas, estávamos spending time com uns amigos em um bar, quando reparei que uma menina não desgrudava os olhos do celular. De dois em dois minutos, o Whatsapp notificava que alguém, em outro lugar do mundo, também estava olhando fixamente para o celular para responder a ela.

De imediato, minha vontade foi dizer que não é legal ficar prestando atenção no celular enquanto ela estava ali, com pessoas reais ao seu redor. E, pior: falar o quanto a luz do celular embaixo do seu rosto ressaltava sua papada num ambiente escuro. Considerando sua vaidade, aposto que pelo menos o segundo argumento teria algum impacto. Mas quanto ao primeiro, fiquei pensando. Será que, para ela, a realidade era a mesma? Talvez não, poderia ser o inverso. Talvez, na ótica dela, o celular fosse a prioridade, e nós, o bar, a bebida e o mundo físico, o segundo plano naquele momento.

Percebi, então, que estamos acostumado a falar de foco, em um tempo em que essa palavra já não existe mais.

“Foco é coisa do passado. No mundo moderno, queremos sentir tudo o tempo todo. Não faz sentido em apenas dar um passeio no parque quando podemos também ouvir música nos fones de ouvido, mastigar um cachorro-quente, vestir solas vibratórias no seu máximo, e observar o carnaval ambulante da humanidade. Nossas escolhas berram o credo de uma nova ordem mundial: estímulo! O pensamento e a criatividade se tornam subservientes à meta singular de saturar nossos sentidos. Mas sou da velha escola. Se você não estiver preparada para se concentrar em mim quando estiver comigo – conversa, toque, nosso momentâneo entrelaçar das almas –, então sai da minha frente e volte para seus 500 canais de vida com som surround.” (Neil Strauss)

Assistimos a vídeos no YouTube, enquanto escrevemos para blogs e respondemos no Facebook. Lemos e ouvimos músicas ao mesmo tempo. Assistimos TV com o notebook no colo e o celular na mão. Acreditamos, sem dúvida alguma, que temos cérebros multitarefas e que, assim como nos navegadores, podemos abrir tantas abas quanto quisermos.

E isso vicia. Faça um experimento: a cada dia, comece a colocar 5% de sal a mais nas suas refeições a partir de hoje. Em quinze dias, quando a quantidade de sal terá praticamente dobrado, volte a comer com o tempero que você come agora. A resposta vai estar ali, naquele prato sem gosto, que há quinze dias era delicioso para você.

 

Os textos e os parágrafos estão diminuindo, enquanto as cores e intensidade das TVs e dos telões estão aumentando. Precisamos ser estimulados cada vez mais, precisamos matar nosso desejo por mais e mais sal, fugimos a todo custo do grande inimigo da nossa geração: o tédio.

Tédio é abstinência de estímulos: é o silêncio agressivo para os que estão acostumado com fones de ouvidos escandalosos; é a palidez de um dia nublado para os acostumados com a alta resolução 3D de um televisor gigante; é a chatice de uma conversa a dois, para os acostumados a conversar com vinte amigos no bolso; é, por fim, a incômoda sensação de precisar pensar, para os que estão acostumado apenas a sentir.

Beethoven, meus caros, não escreveu a Nona enquanto conversava no Facebook. Hemingway não escreveu seus contos em frente a uma TV. Da Vinci não criaria milhares e milhares de invenções, se tivesse milhares e milhares de abas abertas em seu navegador. Freud não conheceria a fundo o funcionamento humano, se observasse apenas papadas iluminadas. Devemos muito, portanto, ao tédio – por ter dado a alguns gênios tempo para mudar nossa vida de hoje.

E quanto a nós?

Queremos continuar gastando mais de cinco horas diárias no Facebook, sem produzir absolutamente nada, e mentir para nós mesmos que estamos, pelo menos, sendo sociáveis?

Queremos reduzir nossa produtividade para matar nosso desejo pelo sal?

Queremos perder um aprendizado importantíssimo de um texto ótimo, só por trocar a aba para o YouTube?

Foco é resultado de exercício. Faça o teste inverso: tire 5% do sal da sua comida, diariamente, acostume-se com o gosto, e em quinze dias repare em como você aproveita mais os diferentes sabores da sua refeição. Esforce-se, por mais difícil que seja, para dar 100% de sua atenção para sua atividade principal, e perceba a visível melhora no resultado. Desligue as notificações de seu celular e note como as pessoas ao seu redor são interessantes. Passe vinte minutos parado, pensando, e perceba o quanto isso pode melhorar seu dia.

Se nada disso funcionar, lembre-se de como você fica feio com sua papada iluminada, e tenha o bom senso de guardar o celular.

Autor: Gustavo Di Lorenzo. Fonte: Comunicadores.