Pequenas maneiras de melhorar a sua vida

Às vezes é difícil saber por onde começar. Inúmeros programas são criados por profissionais mediante as necessidades da nossa sociedade, sempre ocupada demais para poder fazer as coisas no seu devido tempo. O mais interessante é que, quando você participa de algo, e chama outros para participarem também, o auxílio mútuo os auxilia a perseverar e atingir os objetivos. Já dizia o poeta “que ninguém é feliz sozinho”…

Abaixo selecionei e resumi alguns tópicos que merecem a atenção. Comece mudando aos poucos, uma coisa de cada vez. E continue fazendo isso pelo resto da sua vida!

page 01

01. USE FIO DENTAL: Acredite ou não, numa pesquisa realizada nos Estados Unidos (eles adoram pesquisas, né?), mais da metade dos norte-americanos afirmaram não utilizar o fio dental todos os dias. Se você faz parte desta estatística (mesmo não morando nos Estados Unidos), construa esse pequeno hábito e melhore consideravelmente sua saúde. Você sabia que problemas dentários estão associados à doenças cardíacas e diabetes?

02. SUE BASTANTE: Não se discute atualmente que uma alimentação saudável é muito importante, e que, apesar disso, exercícios físicos também podem se transformar numa cura mágica para todo o seu corpo, auxiliando sua memória e concentração, reduzindo desordens do sono e doenças cardíacas, diminuindo a pressão sanguínea e o nível de colesterol, dentre muitas outras coisas. E o que é mais importante, uma pequena sequência de exercícios pode possuir enormes benefícios!

03. ESCREVA UM DIÁRIO: Estudos comprovam que, quando você exterioriza suas emoções e seus sentimentos, a vida torna-se mais leve para você. O fardo de suas costas é transportado para o papel. E não se preocupe com a sequência lógica, semântica, pontuação ou regras de ortografia. Escrever organiza nossos pensamentos, auxiliando-nos a refletir sobre o que ocorre à nossa volta.

page 02

04. LEIA UM LIVRO: Nós lemos muito nos dias de hoje, MUITO, basta prestar atenção nas inúmeras horas que passamos diante de um computador. Mas comece (ou volte) a ler livros de ficção (mesmo que sejam e-books), pois este tipo de literatura consegue moldar em nós sentimentos de empatia e geralmente nos auxilia a sermos melhores conosco mesmos e com os outros.

05. “SEJA” UMA EQUIPE: Quando você pensa em networking, provavelmente se imagina tomando café com algum cliente, empregado ou chefe, pensando em seu próprio benefício e no de sua carreira. Mas, talvez você tenha perdido o real significado das relações dentro de uma empresa. Convide aquele colega de trabalho que você não conhece tão bem para um happy hour e crie laços de confiança com todos. Uma equipe unida é muito mais do que uma simples equipe.

06. VOLUNTARIE-SE: Engajar em trabalhos comunitários nos faz sentirmos melhor, e esse sentimento é sempre dobrado porque estamos auxiliando outras pessoas (ou causas) à melhorarem também! E uma notícia melhor ainda é que quanto mais você pratica este tipo de atitude, mais sente vontade de “arregaçar as mangas”, e quem ganha com isso é o mundo à sua volta.

page 03

07. LIVRE-SE DAS COISAS MATERIAIS: Pode até parecer conselho de monge budista, mas já reparou em quanta coisa você acumula dentro de casa, e em quanta coisa você não usa mais? A dica é fazer uma limpeza anual em todos os cômodos, armários e gavetas da casa, e doar cada peça de roupa ou item doméstico “não utilizado à mais de um ano”. Se você não o usou até agora, pode ter certeza que nunca mais o utilizará para o resto da vida. Ou está pensando que será enterrado junto com eles assim como os faraós faziam? Alivie-se.

08. VIAJE: Nunca foi tão fácil e barato viajar. Digo “nunca” porque você não tem noção do quanto era dispendioso qualquer tipo de viagem há uns 20 ou 30 anos atrás. E não precisa ir muito longe. Apenas saindo de casa e deixando esse computador de lado você já contribui para o seu próprio melhoramento. O filósofo Alain de Botton gosta de afirmar que “a viagem nos expande” e que, o “melhor de nós mesmos não está necessariamente em nossos lares”.

09. SEJA UM ARTISTA: Você consegue mensurar o que são 40.000 anos atrás? Pois é, desde esse época o homem faz “arte”, e devo dizer que não é das melhores. Mesmo assim, esse é um impulso pra você também fazer! Pode ser um rabisco, o desenho de uma casinha, sua família em forma de “palitinhos”, não importa. O auto desenvolvimento virá com o tempo, e você perceberá o quanto seu potencial é enorme, e quanto isso pode ajudar a exteriorizar sua forma de enxergar a vida. Quer mais motivos? Desenhar reduz o estresse e pensamentos negativos.

↬ Adaptado do original de Drake Baer, Richard Feloni e Kevin Loria para o Business Insider. Imagens da Getty Images.

Pequenos hábitos, grandes resultados

Assistindo uma palestra do Tim Ferris, lembro de abrir meu bloco de notas rapidamente para anotar uma citação. A frase foi simples e, aparentemente, não continha nada de novo, mas ressoou pra mim como a mais pura verdade, um fato que muitas vezes deixamos passar em branco.

“Mantenha as coisas simples, o complexo falha.”

Em geral, quando precisamos mudar algo em nossas vidas, miramos alto demais. Adicionamos camadas de complexidade, na esperança de que toda essa confusa estrutura nos forneça um caminho mais detalhado até nosso objetivo, mas tudo isso só complica. Quando observamos uma coleção de instruções muito extensa ou detalhada, desanimamos. São muitas peças para juntar, acabamos não fazendo nada.

É como ir à academia. Você chega lá no primeiro dia e só quer fazer seu exercício. Sua motivação foi suficiente para levá-lo até lá. Na cabeça, tudo está bem claro. É chegar, treinar e ir embora. Ao fazer a matricula você é questionado por taxas extras e avaliações físicas, a resistência começa a surgir. Um professor recebe a tarefa de mostrar os aparelhos e construir uma ficha de exercícios, apenas depois que fizer seus exames.

Quando vê, você já está encarando uma longa lista de exercícios, cada um com sua forma particular de execução. As máquinas possuem nomes, é preciso decorar o nome dos músculos, pessoas falam dos suplementos que precisam tomar. Quando vê, a simples vontade de perder a barriguinha se transforma num monstro difícil de interpretar.

164210737

Enquanto seu reservatório de motivação está cheio, você segue firme nos primeiros treinos, mas o dia em que acordar meio desmotivado, vai repassar tudo o que tem que fazer, cada exercício, aquecimento, alongamento, pré-treino, pós-treino, gente querendo aparecer, toda a atmosfera que envolve a academia, e quando vê, não sai nem da cama.

Muitas vezes nem renova o próximo mês.

Para alcançarmos mudanças substanciais em nossa vida, precisamos apostar na simplicidade e transformar essa pequena mudança num hábito, onde não precisamos gastar força de vontade para executar. A partir disso sim, podemos começar a entrar em camadas mais complexas.

Reuni um conjunto de atividades simples e de fácil execução, que por isso possuem grande potencial de sucesso.

1. Tome um banho frio

Existe uma extensa literatura sobre os benefícios do banho frio. Alguns artigos tratando do assunto apontam desde o crescimento de massa muscular, perda de gordura até redução em níveis de depressão. Mas o benefício aqui é outro.

Ao abrir o chuveiro frio, uma tempestade de pensamentos preenche nossa mente, tentando nos convencer de que aquilo não é uma boa ideia. Você sabe que o conforto está a uma chave de distância, que não precisa fazer aquilo. Como em todas as situações da vida, começamos a racionalizar os motivos para evitar o desconforto.

138986861

Faz muito tempo que não tomo um banho quente, mas todas as vezes que abro o chuveiro sou recebido com a mesma carga de justificativas, tentando me convencer de mudar a chave para o banho quente. Com o tempo é fácil observar que os mesmos mecanismos de racionalização que sua mente cria para não tomar um banho frio, são os mesmos que usa para não sair de casa e ir correr no domingo a tarde. São as mesmas desculpas que o seguram quando resolve começar aquele projeto novo.

Nosso cérebro repete seus argumentos e quando entendemos que estamos sendo enganados por nós mesmos, reconhecendo estes padrões, é mais fácil de cortar as desculpas e seguir em frente. Enfrentar a barreira da zona de conforto e observar como você se comporta é simples e resulta em grandes mudanças.

2. Para entrar em forma, use as escadas

Se você está precisando entrar em forma e ainda não bateu aquele ânimo de procurar uma academia ou uma atividade que agrade, dê preferência às escadas.

O ato de subir escadas exercita os músculos da coxa e dos glúteos, descendo, você ainda recruta a panturrilha. Pela frequência repetitiva de movimentos, subir escadas estimula o coração, trabalhando a capacidade cardiovascular. Uma única subida de escada pode não fazer tanta diferença, mas se considerar quantas vezes utiliza o elevador por dia, a simples troca pode representar o mesmo que uma caminhada de 30 minutos no fim do dia.

No começo eu tentava justificar com tempo. Estou com pressa, não consigo trocar o elevador pelas escadas. Honestamente, isso é sempre uma grande desculpa.

Parece boa, afinal, sempre precisamos chegar no trabalho o mais rápido possível. Observando friamente, utilizo a escada por todos esses anos e posso dizer que, em média, a diferença de tempo costuma ser de, no máximo, dois minutos. Em horário de pico é quase zero, já que o elevador para em muitos andares até chegar ao destino.

Acredite, dois ou cinco minutos não vão fazer diferença alguma no final das contas.

3. Trabalhe com pausas

É muito comum nos pegar voando por aí. Cheio de trabalhos para entregar, emails para responder, e quando vemos, estamos sentados descendo a barra de rolagem do Facebook. É muito difícil quebrar o padrão de desvio quando estamos com a atenção tão longe, e mesmo quando nos forçamos a fazer o trabalho, quando menos esperamos nos pegamos com a cabeça presa em outro lugar novamente.

Criar pequenos intervalos entre as tarefas sacia nossa vontade de relaxar, e ainda assim fazer o que precisamos. A versão detalhada desta técnica se chama Pomodoro Technique, mas aqui vai a versão mais simples possível disso. Lembre-se: o complexo falha.

real-world-pomodoro-timer

Ajuste um despertador para 15 ou 25 minutos, este é o tempo médio que um adulto consegue manter a concentração em uma atividade, sem desviar seriamente sua atenção. A cada período de 15 minutos, dê 5 minutos de pausa.

Essa pausa é livre, sem culpa. Use o Facebook, leia um texto, tome um cafezinho, faça o que quiser para relaxar. Quando o intervalo de 5 minutos acabar, assuma o próximo ciclo de atividades. A cada 4 ciclos dê um intervalo maior, de 15 minutos, para fazer alguma atividade que exija mais tempo, como pagar contas ou assistir um vídeo mais longo no Youtube.

Não adianta se enganar, ninguém fica trabalhando sem parar por 1 hora consecutiva, neste período sua atenção viaja para bem longe, às vezes por bem mais que 5 minutos. A luta entre a atividade que deve ser executada e os prazeres da procrastinação começam a se chocar.

Com um intervalo específico agendado, essa briga está resolvida. Quando pensar em abrir o Facebook enquanto preenche aquela planilha, basta lembrar que em alguns minutos você poderá fazer isso sem culpa alguma.

4. Decisões difíceis? Faça uma caminhada

Exercícios físicos não estimulam apenas o corpo. Nosso cérebro é extremamente beneficiado pelo aumento da circulação sanguínea. Uma ressonância magnética realizada em alunos sentados em silêncio, e logo após uma caminhada de 30 minutos, demonstra o impressionante efeito de um simples passeio.

p7gpfamluddimbtx4nyc-620x348

Caminhadas são excelentes para o momento antes de uma prova, tomar decisões importantes, resolver problemas difíceis. Frequentemente, achamos que ficar parado em cima do problema nos ajudará a encontrar uma solução mas, às vezes, para achar a resposta o que você precisa fazer é só sair para dar uma volta.

5. Ansioso? Estressado? Medite

É impossível escrever sobre maneiras simples de melhorar a vida sem falar sobre meditação. Essa prática amplia sua capacidade de concentraçãomemóriasentimentos como empatia e compaixão. Meditar também reduz ansiedadeestresse e depressão.

A lista de benefícios vai muito além e parece não acabar, mas já deu para pegar a ideia. Muita gente acaba não usufruindo destes benefícios por alguns mitos pouco esclarecidos.

Vale enfatizar que: Não é necessário horas meditando todo dia para sentir os benefícios. Algo em torno de 10 a 40 minutos já são o suficiente para apresentar resultados incrivelmente satisfatórios.

Apesar de muitas tradições antigas utilizarem técnicas de meditação (existem inúmeras), não necessariamente precisa existir um vinculo religioso na prática, a não ser que você prefira seguir por esse caminho. Apesar dos primeiros passos serem simples, existe toda uma gama de conhecimento em torno de técnicas que no futuro podem ser bastante interessantes.

O Gustavo Gitti postou um excelente guia para todos que desejam começar:


6. Leia um livro por semana

Com todos esses elementos da tecnologia moderna nos distraindo constantemente, é muito difícil manter nossos hábitos de leitura. Substituímos os livros por séries de televisão, tempo no Facebook, jogos de celular, e quando vemos, a nossa pilha não lida está cada vez maior.

Não existem dúvidas que ler mais influencia positivamente muitos os aspectos de nossa vida. O que basta é saber organizar isso e encaixar este hábito na agenda. Sempre que batemos o olho em um, nos deparamos com o sentimento de execução a longo prazo. Pensamos em todas as páginas que vamos ler, uma por uma, deixando pra lá o real sentimento de aproveitá-lo e absorver o conhecimento que ele pode trazer. O segredo para bloquear isso é criar metas fáceis de alcançar e repeti-las diariamente.

Aumentei meu ritmo de leitura durante o programa de empreendedorismo que participei ano passado. O material de apoio utilizava 19 livros e eu queria ler todos durante os 3 meses do programa.

Organizei minha rotina de leitura em dois períodos: um pela manhã e um antes de dormir. Em cada um eu leria 10% do livro, levasse o tempo que fosse necessário. Como eu sou um forte adepto dos transportes públicos, acabava lendo ao longo do dia, enquanto esperava o metro ou durante a viagem. Isso acabava dando 30% por dia, totalizando 3 a 4 dias para ler cada.

Julien Smith fez um post em sua página no Medium com uma dica simples, mas super eficiente para atingir a meta de completar um livro por semana. Um livro médio possui entre 250~300 páginas. Alguns um pouco mais, outros menos. Numa média razoável ao longo do ano, 40 páginas por dia podem garantir 52 volumes lidos.

Para quem não tem tempo de sentar e ler 40 páginas (cerca de 1 hora de leitura para uma pessoa normal), uma excelente alternativa é utilizar o leitor “voz para texto” no Kindle, ou optar por audiobooks, ouvindo enquanto dirige, treina ou trabalha.

Sei que nem todo mundo pretende ler tantos livros assim, mas para quem estuda ou possui uma longa lista, é um hábito que vale ouro.

7. Ação mínima viável

Sempre que quero realizar algo, independente de quão complicado seja, faço uma simples pergunta:

“Qual a menor ação que posso fazer para iniciar este hábito?”

Tem o sonho de correr uma maratona e nunca correu na vida? Que tal só colocar o tênis e sair para caminhar? Qual seria um prato interessante, mas não muito trabalhoso? Mudar de carreira mas ainda não tem confiança? Comece um blog sobre o assunto.

Todo grande objetivo pode ser quebrado numa peça muito pequena, que sirva de impulso para alcançar algo maior. Entenda que existe o cenário grande, mas sempre procure a menor coisa que pode fazer para tornar essa transição a mais simples possível.

~ Alberto Brandão para o Papo de Homem.

Verdades que ainda não compreendemos

tumblr_myqveb68Ck1rm2249o1_500
“Nós não vemos as coisas como elas são, vemo-las como nós somos.” ~ Anais Nin

Há uma diferença entre saber algo e viver como se isso fosse verdade. E essas verdades sempre ficam se prolongando naquele limiar esquisito para todos nós:

1. Quanto mais cedo você começar a fazer algo, mais tempo da sua vida você vai passar com essa coisa feita, mesmo que deixar para depois seja a alternativa mais fácil. É o investimento mais certeiro de todos, e que vivemos deixando passar.

2. Nunca nos arrependemos de trabalhar. Consegue contar quantas vezes negociou consigo mesmo para trabalhar no dia seguinte ao invés de fazer hoje, por que estava preocupado em ter um “dia de trabalho ruim”. Raramente temos dias ruins quando trabalhamos.

3. Sempre que estamos jogando no celular, estamos jogando nossas vidas fora. Um smartphone é útil se você tem uma tarefa específica para fazer, mas 99% do tempo não queremos fazer algo que seja mais difícil do que passear no Facebook. Durante esse tempo, a única coisa que podemos dizer, é que estamos morrendo…

4. Nada nos deixa mais produtivo e conectado com o momento do que uma casa limpa. Há toda uma magia na limpeza. Acordar numa casa onde está tudo organizado é um sentimento glorioso. É como se mais coisas pudessem ser feitas, e tudo parece mais útil.

5. Minuto a minuto, nada do que façamos é mais recompensante do que a meditação. Mesmo após uma sessão curtinha, é certo que isso nos fará melhor em tudo, especialmente na tomada de decisões. E ainda assim, são raras as pessoas que o fazem.

6. Trabalho criativo é algo que pode ser feito a qualquer momento. Não é diferente de qualquer tipo de trabalho. Inspiração é bacana, mas é totalmente opcional. Podemos contornar isso inteiramente.

7. Agir da forma que você quer se sentir geralmente funciona. Se decidirmos agir como uma pessoa feliz (mesmo que não estejamos), vamos acabar ficando felizes depois de algum tempo, ou, no mínimo, menos pior. É algo extremamente poderoso de se tentar, e Gretchen Rubin escreveu sobre isso em seu livro The Happiness Project.

8. 95% da nossa felicidade provêm de ter uma casa, um corpo funcional e algo para comer. Vivemos no luxo absoluto, independente do que “luxo” signifique. Se estamos tristes é por que não temos noção das dimensões dos outros 5%.

9. Nossas mentes são feitas para administrar muito menos informações do que geralmente administramos. Pessoas modernas tem tantas opções que elas acabam não sabendo administrar tudo isso. Quanto menos coisas tivermos, mais gostaremos delas. Quanto menos objetivos tivermos, melhor os faremos. Quanto menor a porção de comida, mais saborosa ela é.

10. O caminho mais rápido e mais confiável em busca do desenvolvimento pessoal é fazer as coisas que mais relutamos fazer. Resistência interna deve ser tratada como um enorme sinal vermelho bloqueando o crescimento rápido e novas habilidades.

11. Para terminar as coisas, só precisamos mantê-las “começando” até que elas estejam completas. A ideia de fazer algo por inteiro sempre parece difícil, mas é facilmente alcançada se você simplesmente começar, daí boa parte da resistência some. Continuar é ridículo de fácil!

12. Quando achamos que estamos com raiva de alguém, na verdade, estamos com raiva da situação. Exemplo: Eu estou com raiva, pois de repente a vida requer algo novo de mim, e é muito mais fácil passar a culpa para quem contribuiu com isso. Eu quero que a situação se conserte sozinha, então eu atribuo a culpa à falha de moral de alguém para que eu não precise lidar com a responsabilidade desse novo problema.

13. Definitivamente, para terminar algo nós precisamos esquecer todo o resto. Nossa mente está sempre agitada, com 85 coisas gritando… e que precisamos terminar todas elas. Independente de como as emoções reajam a isso, temos que resolver um problema de cada vez, e deixar o resto pegando fogo.

14. Se estamos no meio de uma briga, cometemos algum erro. Não importa qual posição faz mais sentido, por que quando uma briga começa, toda a comunicação deixa de existir. Porém, às vezes, nos esquecemos disso completamente.

15. Poucas coisas realmente importam mais a longo prazo do que relacionamentos, saúde, finanças pessoais e desenvolvimento pessoal. Crises nas outras áreas deixam de existir tão rápido que nem há tanta razão assim para se chatear. É interessante notar também que essas 4 áreas são as que provavelmente mais contribuem para a felicidade a curto prazo.

↬ A ideia principal veio do Tatudobem?, que também o adaptou do Raptitude. Revisado por Kelyanne Costa.

Como você quer viver os últimos 10 anos da sua vida?

Dividindo a tela com duas realidades no comercial abaixo, a The Heart and Stroke Foundation do Canadá incentiva as pessoas a adotarem hábitos de vida saudáveis agora, para assim gastarem os últimos anos com vitalidade.

A campanha “Make Health Last” conta ainda com um site, que oferece uma calculadora de hábitos para mostrar seu risco de doenças cardíacas.


Fonte: BrainStorm9.